6 min read

Quem é Thich Nhat Hanh?

Quem é Thich Nhat Hanh?

O mestre Zen Thích Nhất Hạnh (comumente grafado como “Thich Nhat Hanh” em português) é um líder espiritual global, poeta e ativista pela paz, conhecido por seus poderosos ensinamentos e livros de sucesso sobre a atenção plena e a paz. Um monge gentil e humilde, foi chamado pelo Dr. Martin Luther King Jr. de “um apóstolo da paz e da não-violência”, quando indicado por ele ao Prêmio Nobel da Paz.

Exilado de seu país natal, o Vietnã, por quase quatro décadas, Thich Nhat Hanh foi um dos pioneiros em trazer o budismo e a atenção plena para o Ocidente e estabelecer uma comunidade budista engajada para o século 21.

Devemos caminhar de tal maneira que imprimamos apenas paz e serenidade na Terra. Ande como se beijasse a Terra com seus pés. — Thich Nhat Hanh

Leia também:

Como pronunciar Thich Nhat Hanh?

A pronúncia em português é: Tíque · N’iát · Rã. No entanto, como o vietnamita é uma língua tonal, esta é apenas uma aproximação da pronúncia em vietnamita. Ele é carinhosamente chamado por seus alunos de Thay (pronuncia-se “Tái”), que significa “professor” em vietnamita.

Primeiros anos

Nascido na região central do Vietnã em 1926, Thich Nhat Hanh ingressou como um monge noviço no Templo Tu Hieu, na cidade de Hue, aos dezesseis anos. Como um jovem bhikshu (monge) no início dos anos 1950, ele estava ativamente engajado no movimento para renovar o budismo vietnamita. Ele foi um dos primeiros bhikshus a estudar temas seculares na universidade em Saigon e um dos seis primeiros monges a andar de bicicleta.

Ensinando crianças a ler e a escrever usando uma canção sobre o Bodhisattva da Grande Compaixão. Foto do início dos anos 1960

Ativismo social durante a guerra no Vietnã

Quando a guerra chegou ao Vietnã, monges e freiras foram confrontados com a questão de aderir à vida contemplativa e permanecer meditando nos mosteiros, ou de ajudar aqueles ao seu redor que sofriam com os bombardeios e as turbulências da guerra. Thich Nhat Hanh foi um dos que escolheu fazer as duas coisas e, ao fazê-lo, fundou o movimento “Budismo Engajado”, cunhando o termo em seu livro Vietnã: Lótus em um Mar de Fogo. Desde então, sua vida tem sido dedicada ao trabalho de transformação interior para o benefício dos indivíduos e da sociedade.

Em 1961, Thich Nhat Hanh viajou para os Estados Unidos para ensinar Religião Comparada na Universidade de Princeton e no ano seguinte passou a ensinar e pesquisar Budismo na Universidade de Columbia. No Vietnã, no início dos anos 1960, Thich Nhat Hanh fundou a School of Youth and Social Service (Escola da Juventude e Serviço Social), uma organização de ajuda humanitária composta por 10.000 voluntários, inspirada pelos princípios budistas de não-violência e ação compassiva.

A meditação não serve para escaparmos da sociedade, mas para retornarmos a nós mesmos e entendermos o que acontece conosco. Quando há entendimento, deve haver ação. Com atenção plena, sabemos o que fazer e o que não fazer para ajudar. — Thich Nhat Hanh

Como acadêmico, professor e ativista engajado durante a década de 1960, Thich Nhat Hanh também fundou a Universidade Budista Van Hanh em Saigon, a editora La Boi e uma influente revista de ativistas pela paz. Em 1966, ele estabeleceu a Ordem do Interser, uma nova ordem baseada nos tradicionais preceitos budistas de um Bodhisattva.

Em 1º de maio de 1966, no Templo Tu Hieu, Thich Nhat Hanh recebeu a “transmissão da lâmpada” do Mestre Chân That, tornando-se um mestre do dharma da linhagem de Lieu Quán, na 42ª geração da escola Lâm Te Dhyana (“Lin Chi Chan” em chinês ou “Zen Rinzai” em japonês).

Exílio do Vietnã

Poucos meses depois, ele viajou mais uma vez aos Estados Unidos e à Europa para defender a paz e pedir o fim das hostilidades no Vietnã. Foi durante essa viagem, em 1966, que ele conheceu o Dr. Martin Luther King Jr., que o indicou para o Prêmio Nobel da Paz em 1967. Como resultado dessa viagem, tanto o Vietnã do Norte quanto o do Sul negaram-lhe o direito de retornar ao país, fazendo com que iniciasse um longo exílio de 39 anos.

Sob tiros, durante uma missão para levar comida para famílias famintas após enchentes

Thich Nhat Hanh continuou a viajar a diversos lugares, espalhando a mensagem da paz e da fraternidade, fazendo lobby junto aos líderes ocidentais para dar fim à Guerra do Vietnã e liderando a delegação budista nas negociações de paz em Paris, em 1969.

Fundação de Plum Village na França

Ele também continuou a ensinar, dar palestras e a escrever sobre a arte da atenção plena e da “paz viva” e, no início da década de 1970, foi professor e pesquisador de budismo na Universidade de Sorbonne, em Paris. Em 1975, ele estabeleceu a comunidade Sweet Potato (“Batata Doce” em português) perto de Paris e, em 1982, mudou-se para um local muito maior no sudoeste da França, que logo seria conhecido como Plum Village (“Vila das Ameixas”) ou Làng Mai, em vietnamita.

O início de Pum Village, na França. Foto de 1984

Sob a liderança espiritual de Thich Nhat Hanh, Plum Village cresceu de uma pequena fazenda rural para o que hoje é o maior e mais ativo mosteiro budista do Ocidente, com mais de 200 monges residentes e mais de 10.000 visitantes todos os anos, que vêm de todas as partes do mundo para aprender “a arte de viver conscientemente”.

Plum Village recebe pessoas de todas as idades, origens e credos em retiros onde podem aprender práticas como meditação caminhando, meditação sentada, meditação ao se alimentar, relaxamento total, meditação durante o trabalho e também como parar, sorrir e respirar conscientemente. Todas essas são práticas budistas antigas, cuja essência Thich Nhat Hanh destilou e aperfeiçoou para serem facilmente e poderosamente aplicadas aos desafios e dificuldades de nossos tempos.

Nos últimos vinte anos, mais de 100.000 pessoas se comprometeram a seguir o código modernizado de ética global universal de Thich Nhat Hanh em sua vida diária, conhecido como “Os Cinco Treinamentos da Atenção Plena”.

Mais recentemente, Thich Nhat Hanh fundou o Wake Up, um movimento mundial de milhares de jovens que treinam a prática da vida consciente, e lançou o programa internacional Wake Up Schools, treinando professores para ensinar atenção plena em escolas na Europa, América e Ásia.

Thich Nhat Hanh também é um artista e suas obras únicas e populares de caligrafia — frases curtas e palavras que capturam a essência de seus ensinamentos de atenção plena — têm sido exibidas desde 2010 em Hong Kong, Taiwan, Canadá, Alemanha, França e Nova York.

Na última década, Thich Nhat Hanh fundou mosteiros na Califórnia, Nova York, Vietnã, Paris, Hong Kong, Tailândia, Mississippi e Austrália, e o primeiro “Instituto de Budismo Aplicado” da Europa, na Alemanha.

Thay convidando o sino da atenção plena a soar

Os Centros de Prática de Atenção Plena na tradição de Plum Village oferecem retiros especiais para empresários, professores, famílias, profissionais de saúde, psicoterapeutas, políticos e jovens, bem como para veteranos de guerra, israelenses e palestinos. Estima-se que, a cada ano, mais de 75.000 pessoas participam de atividades lideradas por monges e freiras de Plum Village em todo o mundo.

Nos últimos anos, Thich Nhat Hanh liderou eventos para membros do Congresso dos EUA e para parlamentares no Reino Unido, Irlanda, Índia e Tailândia. Ele discursou no Parlamento Mundial das Religiões, em Melbourne, e na UNESCO, em Paris, pedindo medidas específicas para reverter os ciclos de violência, guerra e aquecimento global. Em sua visita aos Estados Unidos, em 2013, ele liderou eventos de atenção plena no Google, no Banco Mundial e na Harvard School of Medicine (Escola de Medicina de Harvard).

Em 11 de novembro de 2014, um mês após seu aniversário de 88 anos, e após vários meses tendo sua saúde em rápido declínio, Thich Nhat Hanh sofreu um grave derrame. Embora ainda não consiga falar e tenha o lado direito de seu corpo quase inteiramente paralisado, ele continua a oferecer o Dharma e a ser uma inspiração através de sua presença serena e valente.

Thich Nhat Hanh atualmente reside no Templo Tu Hieu no Vietnã, onde se ordenou com seu professor quando tinha dezesseis anos. Ele expressou o desejo de permanecer ali durante seus dias de vida restantes. Ele sai regularmente em sua cadeira de rodas para visitar os altares do templo e liderar a sangha na meditação andando ao redor dos lagos e estupas ancestrais.

O retorno de Thay a Tu Hieu foi um soar do sino da plena consciência, nos lembrando como é precioso pertencer a uma linhagem espiritual com raízes profundas. Quer tenhamos participado de um retiro, lido um dos livros de Thay ou mesmo assistido a uma de suas palestras, e tenhamos sido tocados por seus ensinamentos, todos nós nos conectamos a essa corrente ancestral de sabedoria e compaixão.


Texto traduzido e adaptado do inglês para o português do Brasil por Eduardo Furbino para A Outra Margem. Versão original disponível no site de Plum Village. Leia nossas notas de tradução.