9 min read

Os ensinamentos de Thich Nhat Hanh

Os ensinamentos de Thich Nhat Hanh

Os ensinamentos pioneiros de Thich Nhat Hanh sobre atenção plena, “interser” e ética engajada abriram novos caminhos para meditadores, pacificadores, ativistas, educadores, empresários e políticos em todo o mundo. Nesta página, você encontra um breve resumo sobre os principais deles.

Leia também

Atenção plena

Thich Nhat Hanh começou a ensinar sobre a plena consciência (também conhecida como “atenção plena”) no Ocidente no início dos anos 1970. Seu livro de 1975, O Milagre da Atenção Plena, apresentou novas práticas desenvolvidas por ele pensadas para inspirar seus alunos e assistentes sociais no Vietnã, para ajudar a evitar que se esgotassem devido à turbulência e aos desafios da guerra.

A atenção plena permite que você viva profundamente cada momento que lhe é dado para viver. — Thich Nhat Hanh

Thich Nhat Hanh encontrou novas maneiras de ensinar a arte de respirar e caminhar atentamente, como sendo as bases da meditação. Ele criou práticas simples, como escovar os dentes com atenção, lavar a louça com atenção e a “meditação da tangerina”. Desenvolveu um novo estilo de meditação caminhando e maneiras de combinar a escuta profunda com a plena atenção e a compaixão, de forma a melhorar a comunicação. Ele deu início a uma maneira gentil de guiar grupos em meditação, de forma que até mesmo os iniciantes pudessem usar a meditação respiratória como uma forma de contemplação profunda, enfrentar desafios e se curar, ao invés de escapar do momento presente.

Respirar atentamente nos ajuda a lidar com emoções fortes, como raiva, medo, ansiedade e desespero, e nos ajuda a suscitar momentos de felicidade na vida diária. Para Thich Nhat Hanh, a atenção plena é uma energia a ser cultivada durante todo o dia, para sustentar a ação compassiva e nos permitir ajudar a aliviar o sofrimento em nós mesmos e no mundo.

Um caminho, não uma ferramenta

Thich Nhat Hanh sempre ensina atenção plena no contexto da ética. Com a energia da plena consciência vem o consumo consciente, os relacionamentos conscientes e o sustento ético. Você não pode distinguir “plena consciência” dos atos de falar, agir, trabalhar e se engajar com o mundo de maneira consciente.

Monges e monjas em caminhada pedindo doações no Monastério de Ban Nha

A atenção plena não é uma ferramenta ou instrumento para conseguir algo mais — seja esse algo a cura, o sucesso, a riqueza ou a vitória. A verdadeira atenção plena é um caminho, uma forma ética de viver, e cada passo ao longo desse caminho já pode trazer felicidade, liberdade e bem-estar, para nós mesmos e para os outros. Felicidade e bem-estar não são uma questão individual. Estamos interligados a todas as pessoas e todas as espécies.

Ecologia

Os ensinamentos de Thich Nhat Hanh sobre o “interser” (um termo que ele cunhou na década de 1980) abriram caminho para a ecologia profunda budista. Referenciando textos budistas antigos, como Sutra do Diamante, ele explica o ensinamento budista do “não-eu” à luz da ecologia: “não podemos separar os seres humanos do meio ambiente. O meio ambiente está nos seres humanos e os seres humanos fazem parte do meio ambiente… (Mesmo) a distinção entre os seres vivos e os não-vivos desaparece após a meditação.”

Ele defende uma solução centrada nos seres humanos para resolver a crise climática. “Precisamos de mais do que apenas uma nova tecnologia para proteger o planeta”, diz Thich Nhat Hanh. “Precisamos de uma verdadeira comunidade e de cooperação. Precisamos restabelecer a verdadeira comunicação — a verdadeira comunhão — conosco, com a Terra e uns com os outros.” Somente quando pudermos alcançar o amor verdadeiro pela Terra, diz ele, teremos a imensa energia de que precisamos para fazer as mudanças radicais necessárias para salvar nossa civilização.

Há uma revolução que precisa acontecer e começa dentro de cada um de nós. Precisamos despertar e nos apaixonar pela Terra. Nossa felicidade e sobrevivência pessoal e coletiva dependem disso. — Thich Nhat Hanh

“Essa iluminação é crucial para um despertar coletivo. No budismo, falamos de meditação como um ato de despertar, de estar atento ao fato de que a Terra está em perigo e as espécies vivas estão em perigo.”

Ação coletiva

Em 2007, Thich Nhat Hanh guiou dezenas de milhares de seus seguidores na mudança para uma dieta vegana.

“No passado, os budistas eram vegetarianos, com a intenção de nutrir nossa compaixão pelos animais. Agora, sabemos que devemos ser veganos para proteger a Terra”.

Thich Nhat Hanh na marcha pelo desarmamento nuclear em 1982

“No budismo, falamos de ação coletiva”, diz ele. “Às vezes, algo de errado está acontecendo no mundo e pensamos que as outras pessoas são responsáveis, e não nós. Porém, você é parte do que há de errado, devido à maneira como vive sua vida.”

“É por isso que aprender a mudar nosso modo de vida — para que haja mais atenção plena, mais paz, mais amor — é algo muito urgente. Podemos fazer isso começando agora, hoje.”

“Os ativistas precisam ter uma prática espiritual para ajudá-los a sofrer menos, a alimentar a felicidade e a lidar com o sofrimento, para serem eficazes em ajudar o mundo. Com raiva e frustração você não pode fazer muita coisa.”

Paz

A mensagem principal de Thich Nhat Hanh é que, se quisermos ter paz no mundo, precisamos ter paz em nós mesmos. Ao longo de décadas de ativismo pela paz, ele percebeu que as raízes da guerra não estão nas armas, mas em nossos próprios corações e mentes⁠ — na energia do medo, da violência e da discriminação desencadeada pelo que vemos, lemos, ouvimos e dizemos.

Pela maneira como vivemos nossa vida diária, contribuímos para a paz ou para a guerra. É a atenção plena que pode me dizer se estou indo na direção da guerra e é a energia da atenção plena que pode me ajudar a dar uma guinada em direção à paz. — Thich Nhat Hanh
Caligrafia de Thich Nhat Hanh, onde se lê "paz em mim, paz no mundo"

Thich Nhat Hanh ensina que somente cultivando a paz em nosso próprio corpo e mente, liberando tensões, acalmando emoções fortes, reavaliando nossas percepções e fazendo as pazes com nossos familiares e colegas, que seremos capazes de criar paz em nossa sociedade, nossa nação e no mundo.

Lótus em um mar de fogo

Desde a época em que foi uma figura importante no movimento budista pela Paz no Vietnã, nos anos 1960, Thich Nhat Hanh insiste que não existe algo como “uma guerra pela paz”: a paz começa com o fim dos bombardeios. Ele enfatiza a importância de não tomar partido em um conflito. Ensina que “O verdadeiro inimigo dos seres humanos não são os humanos. O verdadeiro inimigo é nossa ignorância, discriminação, medo, desejo e violência.”

A paz não é simplesmente a ausência de violência; é o cultivo da compreensão, da sabedoria e da compaixão, combinados com a ação. — Thich Nhat Hanh

Em 1966, ele deixou o Vietnã rumo aos EUA para pedir a paz e pagou o preço do exílio. Ele ajudou a persuadir o Dr. Martin Luther King Jr. a se manifestar contra a guerra, mudando a maré da opinião pública. Em janeiro de 1967, o Dr. King o nomeou publicamente para o Prêmio Nobel da Paz, chamando-o de “um apóstolo da paz e da não-violência” cujas “ideias para a paz, se aplicadas, construiriam um monumento ao ecumenismo, à fraternidade mundial, à humanidade.” Exilado de sua terra natal, Thich Nhat Hanh passou a liderar a Delegação Budista de Paz vietnamita nas negociações de paz em Paris.

Thich Nhat Hanh nos mostra a conexão entre a paz pessoal, a paz interior e a paz na terra. — Sua Santidade o 14º Dalai Lama

Se você quer paz, você precisa ser paz

Na década de 1980, Thich Nhat Hanh viu haver “muita raiva no movimento pela paz”. Ele disse: “Você pode colocar todas as bombas na Lua, mas se não arrancar as bombas dos corações das pessoas, a guerra continuará”. Em Plum Village, na França, ele começou a desenvolver práticas de atenção plena concretas para cultivar a paz, a compaixão, a escuta profunda e a fala amável; e também para resolver conflitos e transformar o medo, a ansiedade e as percepções equivocadas.

A paz é possível

Thich Nhat Hanh ensinou que a compaixão é a melhor maneira de garantir a verdadeira segurança. Ele ofereceu retiros para veteranos de guerra, israelenses e palestinos, e também policiais, abordando as raízes do medo, do terrorismo e do complexo militar-industrial. Ele trouxe sua mensagem de paz ao Congresso dos Estados Unidos durante o bombardeio do Iraque e aos parlamentos da Índia, Reino Unido e Irlanda do Norte. Liderou caminhadas pela paz reunindo milhares de pessoas em Paris, Los Angeles, Roma, Hanói, Macau e Nova Delhi. Nessas caminhadas, ele diz: “Cada passo é uma realização de paz. Cada passo é uma oração pela paz. ”

Quando questionado recentemente como podemos ter paz em face da crise climática e do colapso da civilização, ele respondeu: “É possível fazermos algo agora. Não se desespere. Todos podemos agir. Ainda há uma chance. Reconheça isso e aja, e você encontrará paz. ”

Trabalho

Tempo não é dinheiro. Tempo é vida. Tempo é amor. — Thich Nhat Hanh

Em seus retiros para empresários e em suas palestras em empresas, Thich Nhat Hanh enfatizou a necessidade de aprender a arte de viver feliz no momento presente e não sacrificar o que temos agora para alcançar algo mais no futuro. “Você pode ser uma vítima de seu sucesso”, diz ele, “mas nunca pode ser uma vítima de sua felicidade”.

Podemos ter a impressão de que somos insubstituíveis, diz ele, e podemos sacrificar tudo para investir em nossa carreira e empresa, incluindo tempo com nossos entes queridos, tempo para relaxar na natureza ou tempo para fazer aquilo que mais nos nutre. Se morrermos em um acidente amanhã, no entanto, é provável que nossa empresa seja capaz de nos substituir em três dias.

Você tem que escolher. Você quer ser o número um, ou quer ser feliz? — Thich Nhat Hanh

Thich Nhat Hanh ensina que precisamos avaliar nossas ideias sobre o que é a “verdadeira” felicidade. Existem muitas pessoas que passam a vida perseguindo fama, poder, riqueza e prazeres sensuais, pensando que só podem ser felizes quando obtiverem essas coisas. Entretanto, quando o fazem, descobrem que ainda não estão felizes. A felicidade só pode ser encontrada agora, quando somos capazes de viver o momento presente profundamente, em contato conosco, com nossos entes queridos e com a Terra.

Monjas de Plum Village colhendo frutas

Assim que pudermos alcançar a verdadeira felicidade, teremos a sabedoria, o tempo e a energia de que precisamos para agir e aliviar o sofrimento, a desigualdade e a injustiça.

Thich Nhat Hanh encorajou os líderes empresariais a cultivar qualidades de clareza, compaixão e coragem em sua liderança e a transformar suas empresas em verdadeiras comunidades. Ele convida os líderes a criarem oportunidades para ouvir profundamente os funcionários, para ouvir seus sofrimentos e aspirações — uma forma muito concreta de aplicar a ética nos negócios e liberar a energia necessária para a transformação corporativa. É possível, diz ele, transformar empresas em organizações que aumentem o bem-estar e diminuam o sofrimento dos colaboradores, de suas famílias, da sociedade e do planeta.

Atenção plena na educação

Crianças e famílias foram bem-vindas no retiro anual Summer Opening em Plum Village, na França, e em outros retiros ao redor do mundo por muitos anos. Desde 2008, Thich Nhat Hanh enfatiza a necessidade de apoiar os educadores pelo compartilhamento da prática da atenção plena.

As escolas podem ensinar muito mais do que leitura, redação, matemática e ciências. Os programas escolares também podem ensinar aos jovens como lidar com a raiva, como reconciliar conflitos, como respirar, sorrir e se transformar. Pode haver uma revolução na educação. — Thich Nhat Hanh

Tudo começa com os professores

Thich Nhat Hanh enfatizou que a atenção plena na educação deve começar com os professores. Se um professor pratica a atenção plena e a incorpora na sala de aula, ele irá transmiti-la aos seus alunos, quer a ensinem formalmente ou não. Por isso, monges e freiras dos mosteiros de Plum Village lideram retiros para professores em todo o mundo e criaram o movimento Wake Up Schools.

Para um professor escolar, a primeira coisa a fazer é voltar para si mesmo. A saída está dentro de você. Volte-se para si mesmo e cuide de si mesmo. Aprenda a gerar um sentimento de alegria, aprenda a gerar um sentimento de felicidade, aprenda a lidar com um sentimento doloroso, uma emoção dolorosa. — Thich Nhat Hanh
"Professores felizes vão mudar o mundo"

A sala de aula como uma segunda família

É triste que, para muitas crianças, sua família não ofereça um ambiente feliz e emocionalmente saudável. Thich Nhat Hanh ensinou que, para essas crianças, a sala de aula oferece uma segunda chance para uma família solidária. Se as escolas e os professores forem capazes de dar tempo suficiente para a comunicação compassiva na sala de aula, eles poderão criar um ambiente seguro e terapêutico para os jovens.

Em um novo sistema de educação, deveria haver tempo para os professores se sentarem com os alunos e ouvirem uns aos outros. Porque alunos e professores sofrem. E se professores e alunos entenderem o sofrimento um do outro, eles vão parar de fazer o outro sofrer ainda mais. Haverá uma boa comunicação e o trabalho de ensino e aprendizagem se tornará muito mais fácil. — Thich Nhat Hanh

Texto traduzido e adaptado do inglês para o português do Brasil por Eduardo Furbino para A Outra Margem. Versão original disponível no site de Plum Village. Leia nossas notas de tradução.