7 min read

Os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência

Os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência

Os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência são um refinamento moderno dos tradicionais preceitos de um bodhisattva do budismo Mahayana e foram criados por Thich Nhat Hanh em Saigon, em 1966.

Monges e amigos(as) leigos(as) que fizeram os votos em uma cerimônia formal para receber, estudar e observar esses quatorze treinamentos são conhecidos como “Integrantes da Ordem do Interser”. A Ordem do Interser, através da linhagem de Plum Village de Thich Nhat Hanh, pertence à tradição Linji (Rinzai) do zen budismo.

Os primeiros seis membros da Ordem eram colegas e alunos de Thich Nhat Hanh, que trabalharam com ele no alívio do sofrimento causado pela guerra no Vietnã. Ao ingressar na Ordem do Interser, eles se dedicaram à prática contínua da atenção plena, do comportamento ético e da ação compassiva na sociedade.

Os seis primeiros integrantes da Ordem do Interser

Hoje, os quatorze treinamentos descrevem uma maneira de praticar harmoniosamente junto à comunidade, que é seguida pelos residentes de todos os centros de prática monástica internacional na tradição de Plum Village; há agora mais de 2.000 homens e mulheres leigos pertencentes à Ordem do Interser ativos nas comunidades locais em todo o mundo.

Para conhecer mais sobre os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência, e para entender como eles estão sendo aplicados no mundo de hoje, visite o site internacional da Ordem do Interser.

Esta versão revisada dos Quatorze Treinamentos da Plena Consciência foi apresentada por Thich Nhat Hanh durante a Grande Cerimônia de Ordenação realizada em Plum Village, em fevereiro de 2012.

Os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência

Os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência são a verdadeira essência da Ordem do Interser. Eles são a tocha que ilumina nosso caminho, o barco que nos carrega, o professor que nos guia. Eles nos permitem tocar a natureza do interser em tudo o que existe e ver que nossa felicidade não está separada da felicidade dos outros. A interexistência não é uma teoria; é uma realidade que pode ser vivenciada diretamente por cada um de nós, a qualquer momento da nossa vida diária. Os Quatorze Treinamentos da Plena Consciência nos ajudam a cultivar a concentração e a compreensão que nos libertam do medo e da ilusão de um eu individual.

Primeiro Treinamento da Plena Consciência: Abertura

Consciente do sofrimento causado pelo fanatismo e pela intolerância estou determinado a não idolatrar ou me limitar por doutrinas, teorias ou ideologias, mesmo o budismo. Os ensinamentos budistas são princípios que me ajudam a aprender como observar profundamente e como desenvolver minha compreensão e minha compaixão. Eles não são doutrinas pelas quais se deva lutar, matar ou morrer.

Segundo Treinamento da Plena Consciência: Desapego a visões

Consciente do sofrimento causado pelo apego a conceitos e percepções errôneas, estou determinado a não possuir uma mente limitada e amarrada às idéias atuais. Aprenderei e praticarei o desapego a pontos de vista a fim de estar aberto a outras compreensões e experiências. Estou consciente de que o conhecimento que possuo não é imutável e não constitui verdade absoluta. A verdade é encontrada na vida e a observarei tanto no meu interior como ao redor de mim, em cada momento, pronto a aprender através de toda a minha vida.

Terceiro Treinamento da Plena Consciência: Liberdade de pensamento

Consciente do sofrimento causado quando imponho meus pontos de vista aos outros, comprometo-me a não forçar ninguém, nem mesmo os meus filhos, por quaisquer que sejam os meios, tais como: autoridade, ameaça, dinheiro, propaganda ou doutrinação, a adotar os meus pontos de vista. Respeitarei o direito das pessoas de serem diferentes e de escolherem no que acreditar e os meios pelas quais decidirão. Contudo, ajudarei a renunciarem ao fanatismo e à estreiteza através de um diálogo compassivo.

Quarto Treinamento da Plena Consciência: Consciência do sofrimento

Consciente de que observar profundamente a natureza do sofrimento pode me ajudar a desenvolver a compaixão e a encontrar meios para extingui-lo, estou determinado a não evitar ou fechar meus olhos diante do sofrimento. Estou determinado a encontrar maneiras, incluindo o contato pessoal, imagens e sons, para estar com aqueles que sofrem e, assim, poder compreender sua situação profundamente e ajudá-los a transformarem seu sofrimento em compaixão, paz e alegria.

Quinto Treinamento da Plena Consciência: Viver de forma simples e saudável

Consciente de que a verdadeira felicidade está enraizada na paz, na firmeza, liberdade e compaixão e não na riqueza ou fama, estou determinado a não adotar como propósito de minha vida a fama, o lucro, a riqueza, os prazeres sensuais e nem o acúmulo de riqueza, enquanto milhões de pessoas estão morrendo de fome. Comprometo-me a viver de um modo simples compartilhando meu tempo, energia e recursos materiais com aqueles que necessitam. Praticarei o consumo consciente, não usarei álcool, drogas ou outros produtos que tragam toxinas para o meu corpo, para a minha consciência e para o corpo e a consciência da coletividade.

Sexto Treinamento da Plena Consciência: Lidando com a raiva

Consciente de que a raiva bloqueia a comunicação e cria sofrimento, estou determinado a cuidar da energia da raiva quando ela surgir e a reconhecer e transformar suas sementes que repousam profundamente na minha consciência. Quando a raiva surgir, estou determinado a não dizer ou fazer qualquer coisa e, sim, a praticar a respiração consciente ou o caminhar consciente e a reconhecê-la, abraçá-la e observá-la profundamente. Aprenderei a olhar com os olhos da compaixão para aqueles que penso serem a causa de minha raiva.

Sétimo Treinamento da Plena Consciência: Habitando feliz no momento presente

Consciente que a vida é disponível somente no momento presente e que é possível viver feliz aqui e agora, comprometo-me a treinar a mim mesmo para viver profundamente cada instante da vida diária. Tentarei não me deixar cair na dispersão ou ser levado por remorsos do passado, temores em relação ao futuro ou pela raiva, apego ou inveja no presente. Praticarei a respiração consciente para retornar ao que esta acontecendo neste instante. Estou determinado a aprender a arte de viver plenamente consciente tocando os elementos extraordinários, refrescantes e saudáveis que estão dentro e em torno de mim e nutrindo as sementes de alegria, paz, amor e compreensão em mim mesmo, facilitando o trabalho de transformação e cura em minha consciência.

Oitavo Treinamento da Plena Consciência: Comunidade e comunicação

Consciente que a falta de comunicação sempre traz separação e sofrimento, comprometo-me a treinar a mim mesmo na prática do ouvir compassivo e da fala amorosa. Aprenderei a ouvir profundamente sem julgar ou reagir evitando proferir palavras que possam criar discórdia ou causar ruptura na comunidade. Farei todo o esforço para manter a comunicação aberta e reconciliar e resolver todos os conflitos, mesmo os pequenos.

Nono Treinamento da Plena Consciência: Fala verdadeira e amorosa

Consciente de que as palavras podem criar sofrimento ou felicidade, comprometo-me a aprender a falar com sinceridade e de maneira construtiva, usando somente palavras que inspirem esperança e confiança. Estou determinado a não mentir por interesse pessoal ou para impressionar pessoas e nem proferir palavras que possam causar divisão ou discórdia. Não divulgarei noticias se não estiver seguro de que sejam verdadeiras, e nem criticarei ou condenarei atos dos quais não esteja seguro. Farei o melhor para denunciar situações de injustiça, mesmo quando elas possam ameaçar minha segurança.

Décimo Treinamento da Plena Consciência: Protegendo a Sangha

Consciente de que a essência e o objetivo de uma Sangha é a prática da compreensão e da compaixão, estou determinado a não usar a comunidade budista para ganhos pessoais, proveitos, ou transformar nossa comunidade num instrumento político. Uma comunidade espiritual deve, contudo, tomar uma posição clara contra a opressão e a injustiça e deve empenhar-se para mudar a situação, sem se engajar em conflitos partidários.

Décimo Primeiro Treinamento da Plena Consciência: Meio de vida correto

Consciente de que grande violência e injustiça têm sido impingidas ao meio ambiente e à sociedade, comprometo-me a não viver com uma vocação que seja prejudicial aos homens e à natureza. Farei o melhor possível para escolher um meio de vida que ajude a realizar o meu ideal de compreensão e compaixão. Consciente da realidade econômica, política e social global, terei comportamento responsável como consumidor e como cidadão, não investindo em empresas que privem outros seres da chance de viver.

O Décimo Segundo Treinamento da Plena Consciência: Reverência pela vida

Consciente que as guerras e os conflitos causam muitos sofrimentos, estou determinado a cultivar a não violência, a compreensão e a compaixão em minha vida diária, promovendo a educação para a paz, a mediação plenamente consciente e a reconciliação dentro das famílias, comunidades, nações e no mundo. Estou determinado a não matar e a não deixar que outros matem. Praticarei diligentemente a observação profunda junto à minha Sangha para descobrir maneiras melhores de proteger a vida e evitar a guerra.

Décimo Terceiro Treinamento da Plena Consciência: Generosidade

Consciente do sofrimento causado pela exploração, injustiça social, pelo roubo e pela opressão, comprometo-me a cultivar a bondade amorosa e a aprender meios de agir para o bem estar das pessoas, animais, plantas e minerais. Praticarei a generosidade compartilhando meu tempo, minha energia e meus recursos materiais com aqueles que são necessitados. Estou determinado a não roubar e a não possuir qualquer coisa que deveria pertencer a outros. Respeitarei a propriedade alheia, mas tentarei evitar que outros tirem proveito do sofrimento humano ou do sofrimento de outros seres.

Décimo Quarto Treinamento da Plena Consciência: Conduta correta

Consciente que relações sexuais motivadas por apego não podem dissipar o sentimento de solidão, mas apenas criar mais sofrimento, frustração e solidão, estou determinado a não me engajar em relações sexuais sem compreensão mútua, amor e compromisso de longo prazo. Nas relações sexuais devo estar consciente do sofrimento futuro que posso causar. Eu sei que para preservar minha felicidade e a dos outros, devo respeitar tanto meus direitos e compromissos quanto os das outras pessoas. Farei de tudo que estiver ao meu alcance para proteger as crianças do abuso sexual e proteger os casais e famílias da má conduta sexual. Tratarei nosso corpo com respeito e preservando minhas energias (sexual, respiratória e espiritual) para a realização do meu ideal de bodhisatva. Serei plenamente consciente da responsabilidade de trazer novas vidas a este mundo e meditarei sobre o mundo para o qual estamos trazendo novos seres.


Tradução oficial da Ordem do Interser dos Cinco Treinamentos da Plena Consciência para o português do Brasil.